Siga-nos

Rede social

153

Tempo estimado para a leitura: 2minuto(s) e 42segundo(s).

Facebook informará quem coleta dados para segmentação publicitária

Botão “Por que estou vendo isso?” mostrará mais informações do que as disponíveis hoje

estilo.online Redação

Publicado

em

A partir de 27 de fevereiro, o Facebook permitirá que usuários saibam quem coletou informações pessoais como email e número de celular para segmentar publicidade. Hoje, usuários têm acesso apenas à empresa que direcionou o anúncio, mas não ao agente que as coletou -que pode ser um desenvolvedor ou uma agência de marketing.

A informação foi divulgada nesta quinta-feira (7) pelo site de tecnologia TechCrunch, que havia antecipado a mudança.

Diante de episódios relacionados à falta de transparência no último ano, o botão “Por que estou vendo isso?” ganhará uma nova camada de informações.

Se uma pessoa recebe uma peça publicitária no feed de notícias, pode entender que o direcionamento ocorreu devido à sua faixa etária e à localização geográfica, e foi feita por uma marca específica.

Com a mudança, saberá quem de fato coletou os dados e se teve o email e o número de telefone utilizados para a segmentação, visto que esse processo só pode ser feito mediante consentimento. A ferramenta existe desde junho, mas não havia um processo de verificação.

“A explicação ‘Por que estou vendo isso?’ exibirá o nome da empresa que carregou as informações do usuário no Facebook e destacará qualquer compartilhamento que possa ter ocorrido. Isso pode incluir o envolvimento de agências, desenvolvedores ou outros parceiros”, diz a empresa em uma publicação na página Facebook Advertisers Hub, dedicada a anunciantes.

A ferramenta integra a estratégia de proteção de dados do Facebook, que tenta modificar alguns de seus processos após os casos de violação de privacidade de 2018. Com esse tipo de dispositivo, usuários podem rastrear de onde recebem propaganda.

O Facebook ainda não confirmou se a medida valerá para o Brasil também.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Rede social

Instagram cria ferramenta para combater assédio online

Os comentários das pessoas considerados indesejáveis só serão visíveis para quem postou não para a vítima

estilo.online Redação

Publicado

em

O Instagram revelou que criou uma nova funcionalidade para a sua rede social que está sendo vista como uma potencial solução para casos de assédio e ‘bullying’ no espaço digital. Basicamente, a nova opção permitirá ao dono de uma conta ‘banir’ pessoas sem que elas saibam.

Se tiver uma pessoa adicionada que por algum motivo ela tenha se tornado indesejável, o Instagram dará a opção de restringir esta conta. Apesar de ainda conseguir fazer comentários, apenas quem postou será capaz de os ver o que eliminará a toxicidade das publicações.

Esta capacidade de restringir contas também as impedirá de ver quando estiver online ou quando tiver lido algumas das suas mensagens.

Segundo o The Verge, esta funcionalidade está ainda em fase de testes mas já é vista como uma potencial solução para minimizar os casos de assédio na plataforma.

0
0
Continuar lendo

Rede social

Instagram nega ouvir conversas e vigiar mensagens

O CEO da rede social negou vários rumores que a rede social tem sido alvo

estilo.online Redação

Publicado

em

Alguma vez já falou sobre algum produto para, pouco tempo depois, este aparecer em um anúncio do Instagram? Se suspeitava que a rede social estava ouvindo as suas conversas, o CEO do Instagram, Adam Mosseri, garantiu que não.

O executivo afirmou em entrevista com a CBS que a app da rede social não ouve as conversas dos utilizadores e indicou que os anúncios surgem na rede social por “pura sorte”. “Pode estar falando sobre alguma coisa porque tem interagido com esse tipo de conteúdo mais recentemente e aparece. Talvez seja inconsciente e depois surge mais tarde. Penso que isto acontece frequentemente de uma forma que é muito sutil”, apontou Mosseri.

O executivo do Instagram aproveitou também para negar outros rumores que a rede social tem sido alvo. “Não vemos as tuas mensagens, não ouvimos através do microfone, fazê-lo seria super problemático por vários motivos diferentes. Mas reconheço que você não vai acreditar realmente em mim”, disparou.

0
0
Continuar lendo

Rede social

Fake news geram mais engajamento no Facebook que mídia tradicional

O estudo faz parte de um relatório do Instituto de Internet da Universidade de Oxford

estilo.online Redação

Publicado

em

Informações falsas e com conteúdo extremo geram maior engajamento no Facebook do que notícias da mídia tradicional. A conclusão foi de um estudo do Instituto de Internet da Universidade de Oxford, um dos mais renomados do mundo. A investigação analisou a circulação de conteúdos em redes sociais relacionados às eleições do Parlamento Europeu, que tiveram início na quinta-feira (23) e ocorrem até este domingo (26).

A pesquisa avalia o que chama de junk news, que classifica como conteúdos “ideologicamente extremos, enganosas e informações com fatos incorretos”. A disseminação desse tipo de mensagem vem ocorrendo em larga escala em processos políticos na região e preocupado autoridades dentro da União Europeia.

“As junk news em nossa base tenderam a envolver temas populistas como anti-imigração, fobia contra grupos islâmicos, com poucos mencionando líderes ou partidos europeus”, afirmaram os autores. Os pesquisadores também verificaram o compartilhamento de mensagens de fontes russas, dialogando com a preocupação de interferência externa no pleito.

Sites populares de junk news na maioria dos idiomas obtiveram um engajamento de 1,2 a 4 vezes maior do que as notícias de meios jornalísticos tradicionais. Engajamento é o termo usado para interações com as publicações, como curtidas, compartilhamentos e comentários realizados.

Os idiomas com maior índice de engajamento envolvendo as junk news foram inglês (3,2 mil por publicação), alemão (1,9 mil), sueco (1,76 mil) e francês (1,7 mil). Nas páginas de Facebook de sites em italiano e polonês a situação se inverte, com os veículos jornalísticos obtendo maior engajamento do que as fontes de junk news.

Já no Twitter, a presença de conteúdos enganosos foi menor. Menos de 4% das fontes, entre as mensagens analisadas, tinham como foco a difusão de junk news ou de sites russos. A exceção foi a Polônia, onde esse tipo de publicação representou 21% dos conteúdos analisados. Os veículos tradicionais de mídia tiveram desempenho melhor, com 34% das informações compartilhadas.

Os autores analisaram publicações em sete idiomas que circularam em redes sociais em países da região. Foram analisados mais de 580 mil mensagens no caso do Twitter e as principais fontes de junk news e de notícias de veículos profissionais no Facebook.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
106,32
JPY –0,23%
4,07
BRL 0,00%
1EUR
Euro. European Union
=
117,84
JPY –0,21%
4,52
BRL +0,01%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.134.249,94
JPY –2,73%
43.467,85
BRL –2,50%

Tokyo
25°
Cloudy
TueWedThu
min 24°C
31/24°C
31/25°C

São Paulo
15°
Cloudy
TueWedThu
16/14°C
19/13°C
17/13°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana