Siga-nos

Espaço

72

Tempo estimado para a leitura: 2minuto(s) e 1segundo(s).

Perigo sideral: o que aconteceria se Estação Espacial Internacional caísse na Terra?

Uma breve análise mostra o que poderia acontecer se a Estação Espacial Internacional (EEI) caísse na Terra, tal como aconteceu com a primeira estação Skylab há 40 anos.

estilo.online Redação

Publicado

em

A NASA, juntamente com outras quatro agências espaciais, verá o seu orçamento atual esgotar-se em 2024 e planeja retirar a EEI do espaço em 2028. Isso poderia eventualmente significar a saída de órbita da estação e sua queda em nosso planeta.

Deixar ou não cair

A primeira razão pela qual as agências deixariam que a estação despencasse do espaço seria porque é mais barato.

Segundo estimativas, seriam necessárias 27 missões de um ônibus espacial indo e vindo da Terra para transportar todas as peças da instalação, escreve o tabloide britânico Daily Star.

Cada missão custa cerca de US$ 450 milhões (R$ 1,7 bilhão), isso significando um custo total para as várias agências espaciais de US$ 12.1 bilhões (R$ 45 bilhões).

Tirar a estação de órbita e deixar que eventualmente caia seria uma alternativa muito mais barata para todos os países envolvidos.

Locais prováveis de queda

A área mais provável de queda é em um trecho do oceano Atlântico conhecido como Ponto Nemo, também chamado de “Polo da Inacessibilidade do Pacífico”.

Conhecido como “cemitério de satélites”, a região é o local mais remoto do planeta e é cercada por mais de 1,6 mil km de água.

Riscos para a humanidade

Apesar de ser improvável que a EEI caia em alguma cidade ou vila, ainda assim tal não é impossível.

Algumas das maiores seções da nave espacial russa Mir sobreviveram à reentrada na atmosfera da Terra em 2001, causando uma trilha de detritos que se estendeu por 2,9 mil km de comprimento.

Como a EEI é três vezes maior que a estação Mir, isso significaria que esse rastro poderia ser muito maior e até alcançar áreas povoadas.

Conforme o Tratado do Espaço Sideral (acordo sobre os princípios das atividades de exploração do espaço), cada país é legalmente responsável por desorbitar seus próprios módulos da EEI.

Os russos alegadamente planejam mover seus segmentos e usá-los para formar uma nova estação espacial.


Estação Espacial Internacional

Como os russos supostamente planejam usar seus segmentos, então isso pode significar que a estação nunca virá de fato a colidir com a Terra.

Próximas metas

Caso esse problema seja resolvido sem grandes custos, a NASA aumentaria suas chances de alcançar seus objetivos de longo prazo de fazer pousar humanos em Marte até 2033. O presidente dos EUA, Donald Trump, também quer que a agência volte a enviar astronautas à Lua, o que pode acontecer quando a estação espacial lunar for lançada em 2024.

Espera-se que a China e a Rússia também construam suas próprias estações espaciais.

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Espaço

VÍDEO gravado por sonda espacial exibe cometa sendo ‘devorado’ pelo Sol

O cometa mostrado no vídeo atingiu o Sol mesmo no centro, acabando por se evaporar completamente devido às temperaturas extremas da estrela.

estilo.online Redação

Publicado

em

Cometas desta classe passam muito perto da superfície do Sol e são frequentemente destruídos.

Na quinta-feira (15), o telescópio espacial da sonda SOHO gravou o vídeo impressionante de um cometa mergulhando diretamente no Sol.

Na gravação se pode observar inúmeros corpos celestes, incluindo uma Vênus brilhante localizada muito perto do Sol (a imagem do Sol foi tapada com um disco opaco para aumentar a visibilidade) e um cometa rasante Kreutz, ou Kreutz sungrazer, mergulhando quase diretamente no centro do Sol.

Os cometas Kreutz são uma família de cometas rasantes que têm suas orbitas extremamente próximas do Sol.

Este não é o primeiro evento deste tipo gravado neste verão pela sonda SOHO. Em 20 de junho, o observatório detectou dois cometas – um Kreutz sungrazer e um Meyer sunskirter – se aproximando do Sol.

0
0
Continuar lendo

Espaço

Buraco negro supermassivo pode ‘engolir’ todo o Universo, alerta astrônomo

A recente descoberta de um buraco negro supermassivo deu aos astrônomos uma nova perspectiva quanto à força potencial destes objetos celestes.

estilo.online Redação

Publicado

em

O astrônomo David Whitehouse afirma que nosso Universo poderia ser engolido por um gigante buraco negro. Em uma entrevista, ele explicou que um buraco negro supermassivo recentemente descoberto pelos astrônomos na América do Sul forneceu novas perspectivas sobre o quão grandes estes objetos podem ser.

“Começamos a nos dar conta daquilo que achávamos antes que havia um limite quanto ao tamanho dos buracos negros no centro da galáxia, porque eles conseguem engolir muitas estrelas. Os buracos negros aumentam em tamanho tragando a matéria, gás, estrelas e pó”, Este [buraco negro recém-descoberto] é enorme, então talvez possam existir buracos negros ainda maiores, disse o astrônomo.

Segundo ele, várias teorias físicas especulam que, a um determinado momento no futuro, um buraco negro pode se tornar suficientemente grande para absorver cada vez mais estrelas e eventualmente engolir o Universo.

O PSO J352-15 – buraco negro (quasar) anormalmente brilhante

“Existem teorias que nos indicam que, possivelmente, em um futuro muito remoto, tudo irá acabar em um buraco negro, todo o Universo”, opinou Whitehouse.

O cientista afirma que é importante investigar os buracos negros, porque suas propriedades físicas únicas proporcionam aos cientistas uma “perspectiva diferente sobre o funcionamento do Universo e aquilo que ele é capaz de criar”.

“Os buracos negros têm diferentes tipos de formas e tamanhos. Existem buracos negros do tamanho de um átomo, por outro lado, no centro de galáxias, há buracos negros gigantescos que excedem o tamanho do Sol em bilhões de vezes, são objetos fascinantes”, salientou o Dr. Whitehouse.

Os buracos negros são tão densos que criam uma força gravitacional capaz de capturar a luz. Nada lhes pode escapar. No entanto, essa incrível massa também deforma o tempo e o espaço nas suas imediações, fazendo com que o tempo decorra de forma totalmente diferente do que decorre para um observador que esteja de fora.

De acordo com equações teoréticas, somente as estrelas muito maiores que o nosso Sol podem formar um buraco negro.

No início deste mês, a NASA informou que, durante uma pesquisa do quasar PSO167-13 e de nove outros quasares com a ajuda do telescópio Chandra, os astrônomos poderiam ter detectado um buraco negro gigantesco e muito distante.

0
0
Continuar lendo

Espaço

Tardígrados, seres ‘indestrutíveis’, podem estar vivos na Lua

Os tardígrados vivem na Terra e são organismos resistentes às mais extremas condições

estilo.online Redação

Publicado

em

Décadas de exploração espacial serviram para descobrir mais sobre as estrelas e imaginar o que haverá a milhões de anos de luz de nós.

Um pouco mais perto de nós temos a Lua, satélite da Terra que também já serviu para a ficção-científica imaginar todo o tipo de coisas, incluindo os seres que lá poderiam viver.

Até hoje, nunca surgiram provas de que a Lua fosse habitada. No entanto, é bem possível que já haja organismos vivos por lá. E a culpa é nossa (leia-se, da Humanidade).

Em abril passado, uma sonda israelita caiu ao tentar descer na lua. Falamos da Beresheet, um projeto de financiamento privado. A bordo daquela sonda estavam armazenados tardígrados.

Trata-se de um micro-organismo, com ar de larva e oito patas, nunca superior a um milímetro de comprimento, que tem fascinado os cientistas pela sua capacidade de resistência.

Estes pequenos organismos resistem a temperaturas extremas, de gelo ou calor, e têm uma resistência à radiação muito superior aos humanos.

Segundo a BBC, Nova Spivack, o cofundador deste projeto – a Arch Mission Foundation -, admite que os tardígrados a bordo da sonda poderão ter sobrevivido a queda. “Acreditamos que as hipóteses de sobrevivência dos tardígrados são extremamente altas”, conta.

Os espécimes que ali seguiam estariam desidratados, uma condição que mataria a generalidade dos seres vivos. No entanto, também isto não seria suficiente para matar os tardígrados.

Quando desidratados, os tardígrados retraem-se, as patas recolhem-se e ficam mais pequenos, como se fossem uma pequena bola. Mas eis outro fator surpreendente nestes animais: cientistas já descobriram que estas ‘micro-larvas’, mesmo tendo estado décadas desidratados, conseguem ‘voltar à vida’ com um pouco de água, ou seja, são reanimados mesmo tendo estado décadas naquele estado de suspensão devido à desidratação.

Agora a Lua poderá ter os seus primeiros habitantes. E serão logo aos milhares.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
106,57
JPY 0,00%
4,07
BRL 0,00%
1EUR
Euro. European Union
=
118,09
JPY 0,00%
4,52
BRL 0,00%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.165.243,71
JPY 0,00%
44.554,30
BRL 0,00%

Tokyo
28°
Mostly Cloudy
TueWedThu
31/24°C
29/24°C
32/26°C

São Paulo
14°
Cloudy
MonTueWed
min 14°C
16/14°C
19/13°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana