Siga-nos

Você viu?

54

Tempo estimado para a leitura: 6minuto(s) e 5segundo(s).

Brasileiros em Portugal não pensam em voltar

O número de brasileiros vivendo em Portugal cresceu 29,7% no último ano

estilo.online Redação

Publicado

em

São megainvestidores milionários, estudantes, empresários, escultores de areia, motoristas de aplicativo, artistas, desempregados. São brasileiros, em Portugal. Números e relatos obtidos pelo Estado mostram “zucas” (como se tratam e são chamados pelos lusitanos) de todas as idades e classes sociais, fazendo a rota oposta da invasão à América – repetindo as desigualdades sociais e os desafios do outro lado do Atlântico. Mas sem pensar em voltar.

O Serviço de Imigração e Fronteiras (SEF) registrou em 2018 acréscimo da população estrangeira residente, que chegou a 480.300, maior número da série iniciada em 1976. Só que os “zucas” já são um em cada cinco: 105.423. Dois anos antes, eram 81.251, um avanço de 29,7%.

Dados solicitados pela reportagem ao SEF mostram que os brasileiros residentes em Portugal têm um perfil bem mais feminino e no auge da idade, quando se fala em capacidade produtiva, entre 30 e 44 anos. No total, registraram-se 42.848 homens e 62.575 mulheres. Desse grupo, 43.396 (41,16%) estão nessa faixa etária.

O advogado Luiz Ugeda, do escritório Porto Advogados, explica que o país europeu, com uma população envelhecida, precisa de mão de obra qualificada. Já do ponto de vista do Brasil, “há um desconforto de certas camadas da população brasileira com a crise que o País vive”. “Não só a econômica e política, mas a de valores mesmo. Tem muita gente qualificada, dos meios acadêmicos, profissionais liberais e empresários.”

Dessa forma, os que chegam têm um perfil diferente de fluxos migratórios anteriores – em 2012, havia praticamente o mesmo número de residentes “zucas” (105.622). “Você continua tendo profissionais que se submetem a subempregos, que buscam qualquer meio de sobrevivência, mas há também os qualificados.”

Só o Aeroporto de Lisboa, a capital, recebe diariamente 12 ligações aéreas provenientes do Brasil. Entre quem não está a turismo, grande parte já fica por ali mesmo. Na sua maioria, esses cidadãos passam a residir nos distritos de Lisboa (42.847), Porto (12.994) e Setúbal (10.728), onde há mais oferta de empregos. Os brasileiros já estão entre os estrangeiros que mais investem na antiga “metrópole” europeia. Em 2017, responderam por 19% dos investimentos (atrás só dos franceses, com 29%).

Mercado imobiliário

E a chegada de estrangeiros procurando residência sobretudo em Lisboa já é apontada como um dos fatores que colabora para a “crise” do mercado imobiliário (falta de moradias). Além disso, a alta do turismo está transformando diversos imóveis em locais de estadia temporária (como o Airbnb). Muita procura e pouca oferta fazem os preços dos aluguéis dispararem.

“Está difícil encontrar casas a preços acessíveis. Além disso, para brasileiros, muitas vezes os locadores exigem 12 aluguéis adiantados”, alerta Cyntia de Paula, presidente da associação Casa do Brasil, que dá orientações aos recém-chegados. Entre 2013 e 2018, os preços dos imóveis cresceram 46%, de acordo com o grupo Confidencial Imobiliário.

Danilo Bethon, de 29 anos, produtor cultural, adotou Portugal como novo lar há dois anos e diz ter sido sempre tratado com muita cortesia. Contudo, teve dificuldade em alugar um apartamento por ser “zuca”. “Só de falar pelo telefone pedindo informação, percebiam o meu sotaque e diziam que o lugar já tinha sido alugado”, lembra. “Teve a dona de uma casa que, no dia de assinar o contrato, quando viu que eu era brasileiro, pediu seis alugueis adiantados de caução, em vez de dois. Não tinha todo esse dinheiro e não fizemos negócio.”

As principais razões invocadas para a concessão de novos títulos foram reagrupamento familiar – quando a mulher, ou muitas vezes o marido, vai na frente para a Europa e depois traz os demais – para trabalho e estudo. Além da alta de pedidos de residência, muitos brasileiros têm buscado a nacionalidade portuguesa, por casamento, por ter antepassados lusitanos, ou por autorização de residência antiga no país. Em 2018, 11.586 obtiveram o documento; no ano anterior, haviam sido 10.805.

E há um empoderamento feminino. “A imigração costuma ser associada ao homem, mas na verdade muitas mulheres buscam a mudança de país de forma autônoma”, afirma Cyntia. Segundo ela, contribui o fato de serem mais pobres e ganharem menos. “Elas imigram para buscar melhor qualidade de vida, de trabalho e de estudo.” Ugeda levanta ainda a hipótese de o fator segurança sensibilizar mais as mulheres. “Isso faz com que busquem Portugal como projeto de vida e tenham porcentual maior de regularização.”

Bem-estar, mais que ocupação

A queda no desemprego (de 17,3% há seis anos para 6,6% agora) é sempre citada como atrativo para Portugal. Mas há quem não se preocupe com isso. “Nossa família levava uma vida confortável: morávamos numa boa casa e as minhas filhas, de 10 e 14 anos, estudavam em colégio particular, tínhamos uma vida social movimentada”, afirma Nelson Pires da Costa, de 43 anos, que deixou o Rio no ano passado e seguiu para Cascais. Hoje, ele ainda não tem ocupação fixa – trabalhava com reboques no Brasil – e cogita partir para o Uber, mas não pensa em voltar. “Minha filha mais velha, que no Rio não andava nem um quarteirão por medo, agora vai sozinha para a escola.”

Gilda Pereira, sócia da Ei! Assessoria Migratória, conta que seus clientes sempre citam a segurança, as escolas e a saúde pública de qualidade como fatores que pesam. “Tive um cliente que teve câncer depois de chegar e se surpreendeu com a qualidade do atendimento no sistema público.”

Mesmo com o melhor mercado de empregos, não é fácil a colocação para um “zuca” – e em certas áreas o idioma ajuda menos do que se poderia esperar. “Tenho conseguido bons trabalhos em Portugal, mas sei que minhas possibilidades são limitadas porque o português que falo é o do Brasil. As duas personagens de novela que fiz eram brasileiras”, conta a atriz Thaiane Anjos, de 30 anos, que trocou o Rio por Lisboa há quatro anos. No País, atuou nas novelas Flor do Caribe, Além do Horizonte e Malhação, da Rede Globo.

Outro problema é a burocracia, como explica a publicitária Aline Camargo, de 34 anos, que foi para Lisboa há quatro anos e meio. Inicialmente, ela e o marido entraram na Europa como turistas, mas depois decidiram ficar e buscar trabalho remunerado. “Para conseguir a residência, há um processo que chegava a levar dois anos esperando a marcação da entrevista”, diz. Foi depois de ter filha em Portugal que ela correu atrás de regularizar a situação. “Consegui minha residência só este ano.”

Preconceitos

O fator discriminação também influencia, de algum modo, a comunidade de imigrantes. Segundo o Relatório Anual sobre a situação da Igualdade e Não Discriminação Racial e Étnica em Portugal, a nacionalidade brasileira, enquanto fator de discriminação na origem, surge na terceira posição, referida em 45 queixas, que representam 13% do total – no ano anterior, foram 18 casos. Em abril, teve repercussão internacional uma montagem feita na Universidade de Lisboa que “oferecia” pedras para atirar em “zucas”.

Só que até nesse ponto o fluxo migratório traz contradições bem brasileiras. É o caso da professora de circo Glaucia Manzzaneira, de 36 anos, que trocou São Paulo pelo Porto há sete meses. “A partir de 2016 comecei a sentir uma mudança no Brasil, uma liberação do discurso de ódio contra a comunidade LGBT.” Ela e a mulher passaram a ser alvo de xingamentos, brincadeiras e ameaças nas ruas. “Aqui (em Portugal) pode até haver algum preconceito, noto alguns olhares, mas ninguém ousa nos abordar nas ruas”, diz ela, que também foi vítima da crise econômica e teve de fechar a escola de circo que tinha. “Portugal foi um lugar que nos pareceu seguro e fácil para emigrar.”

0
0
Clique para comentar
Publicidade

Você viu?

Agente de trânsito orienta motorista surdo em Libras e emociona: vídeo

estilo.online Redação

Publicado

em

O respeito de uma agente de trânsito do Paraná com um motorista surdo está emocionando internautas de todo o país.

Durante uma blitz educativa de volta às aulas, Cláudia Claudiano Moreira, de 38 anos, orientou o motorista deficiente auditivo em Libras, a Língua Brasileira de Sinais.

O vídeo, divulgado pela Prefeitura de Curitiba, foi gravado por uma amiga de trabalho de Cláudia na semana passada. (vídeo abaixo)

“Surgiu a oportunidade nesta blitz educativa que estávamos fazendo. Como a equipe sabia que eu tinha conhecimento em Libras, me chamaram para conversar com o motorista”, explicou ao BandaB.

Claudia faz o curso de Libras há dois anos, na Universidade Federal do Paraná (UFPR), e desde então ela pratica tudo o que aprende.

“Vejo isso como uma inclusão, na questão de alcançar todas as pessoas do trânsito. Quando conheci a cultura surda, me despertou um amor e uma outra visão”, disse.

Ela defendeu que as pessoas aprendam a língua.

“Percebi que a comunicação com os surdos é falha. Eles não são coitados e sempre estão disponíveis para se comunicarem. A falta é de quem não entende Libras”, declarou.

A agente trabalha há quatro anos na Escola Pública de Trânsito de Curitiba (EPTran).

A equipe vai a escolas e empresas para fazer blitz educativas e levar a sensibilização de uma educação diferente no trânsito.

Assista ao vídeo:

0
0
Continuar lendo

Você viu?

Desempregado compra apartamento e kombi vendendo coco

estilo.online Redação

Publicado

em

Um brasileiro que ficou desempregado e foi vender coco para sustentar a família já conseguiu comprar um apartamento e uma kombi com a barraquinha que montou em Bonsucesso, no Rio de Janeiro.

O vendedor Jorge Anísio, de 47 anos, perdeu o emprego em 2009 e em vez de desanimar, ele arriscou: montou o negócio para vender água de coco.

A barraquinha, em um dos locais mais movimentados da cidade, chega a vender no verão mais de 250 cocos por dia.

‘Já estou há quase 10 anos por aqui, eu nem imaginava que o coco iria virar meu sustento, mas foi com ele que comprei meu apartamento, minha Kombi e levo o sustento da minha familia’, contou ele ao VozDaComunidade.

E ele trabalha duro! Jorge começa a jornada de trabalho de madrugada.

‘Eu acordo todos os dias as 2h da manhã, vou até a Cadeg buscar o coco, deixo a Kombi com o coco aqui na praça, vou pra casa descansar um pouco e a partir das 7h já estou aqui para atender o povo. E, olha, quem vem aqui e toma minha água de coco, sempre volta’.

Ele conta que tem uma lixeira especial para que nenhum cliente jogue lixo no chão.

Jorge vende água de coco desde o copo de 100ml até garrafas de 1L, com os preços que vão de R$3,00 até R$12,00.

Ele aceita até cartões de crédito e débito para facilitar a vida do cliente.

Além do trabalho, o segredo dele é o sorriso aberto que conquista os clientes.

Futuro

O empreendedor pensa agora em expandir seu negócio.

Ele pretende colocar mais algumas barraquinhas de água de coco pela Zona Norte.

“Eu e minha esposa, estamos vendo pessoas responsáveis que venham somar com a gente nisso, porque quero continuar levando água de coco de qualidade por ai. E sempre falo a gente não pode ter medo de tentar, de começar e eu quero seguir com minha água de coco’, concluiu.


Jorge e um dos clientes – Foto: Vilma Ribeiro/Voz das Comunidades

1
0
Continuar lendo

Você viu?

Norte-americano escapa da morte após ser atingido por raio (VÍDEO)

Um residente do estado norte-americano da Carolina do Sul, Romulus McNeil, foi atingido por um raio, mas conseguiu sobreviver.

estilo.online Redação

Publicado

em

O acidente foi flagrado pela câmera exterior instalada em um edifício. O raio atingiu o guarda-chuva de McNeil quando ele se dirigia para seu carro, informou o portal WCOCTV.TV.

“Eu vi a luz, tentei escapar como o Roadrunner. Não quero que isso aconteça com mais ninguém. Foi uma loucura”, disse Romulus citado pelo portal.

O raio acertou o guarda-chuva do homem, de maneira que ele quase caiu. Entretanto, ele disse que sentiu um grande susto, mas conseguiu sair ileso.

0
0
Continuar lendo
Publicidade
1USD
United States Dollar. USA
=
106,61
JPY +0,04%
4,08
BRL +0,02%
1EUR
Euro. European Union
=
118,18
JPY +0,07%
4,52
BRL +0,05%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.162.154,15
JPY –0,27%
44.426,64
BRL –0,29%

Tokyo
28°
Mostly Cloudy
TueWedThu
31/24°C
29/24°C
32/26°C

São Paulo
14°
Cloudy
MonTueWed
min 14°C
16/14°C
19/13°C

Arquivos

Facebook

Publicidade

Mais vistas da semana