Siga-nos

Economia

31

Tempo estimado para a leitura: 1minuto(s) e 34segundo(s).

Reino Unido: Premiê diz que acordo comercial com EUA ‘não será fácil’

Boris Johnson participou do G7 e falou dos acordos entre os países

estilo.online Redação

Publicado

em

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, alerta que fazer um acordo comercial com o Estado Unidos não será “fácil”, por causa das barreiras aos produtos britânicos nos mercados americanos.

Falando neste sábado, quando viajou para a França para a reunião do G7, Johnson citou carnes bovina e de cordeiro, travesseiros e fitas métricas como alguns dos produtos britânicos que têm entrada dificultada nos mercados dos EUA por razões burocráticas.

Johnson diz que as tortas de porco, por exemplo, “atualmente não conseguem entrar no mercado dos EUA por causa de algum tipo de restrição da Food and Drug Administration (FDA, órgão regulador de alimentos e medicamentos nos EUA)”.

O primeiro-ministro diz que levantou a questão com o presidente dos EUA, Donald Trump, durante um telefonema na véspera do encontro. Johnson e Trump se encontrarão neste domingo.

Johnson diz que alguns setores da economia do Reino Unido, como o Serviço Nacional de Saúde, permaneceriam completamente fora das conversas a respeito de qualquer acordo comercial com os EUA.

Trump

Em seu Twitter, Trump elogiou o presidente da França, Emmanuel Macron, pela recepção no encontro de cúpula do G7. “O almoço com Emmanuel foi a melhor reunião que tivemos até agora. Da mesma forma, os encontros com os líderes mundiais na parte da tarde foram muito bons. Estamos fazendo progresso!”, relatou Trump. Fonte: Associated Press, com Renato Carvalho.

0
0
Clique para comentar

Economia

BNDES prevê investimentos de R$ 1,1 trilhão em 2019-2022

Os números consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES relativos a 19 setores, sendo 11 da indústria e 8 da infraestrutura

estilo.online Redação

Publicado

em

OBanco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou uma estimativa de investimentos de R$ 1,1 trilhão em 19 setores no período 2019-2022. O valor representa uma melhora nas expectativas, com alta de 2,7% em relação aos investimentos previstos no levantamento anterior para o quadriênio de 2018 a 2021. Os dados constam do boletim Perspectivas do Investimento.

Os números consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES relativos a 19 setores, sendo 11 da indústria e 8 da infraestrutura. Juntos, eles contribuem com cerca de 25% da formação bruta de capital fixo da economia.

Os investimentos nos setores mapeados, de R$ 250,8 bilhões em 2018, devem aumentar para uma média anual de R$ 270,6 bilhões entre 2019 e 2022. Apesar da melhora ante o ano anterior, essa média anual, se confirmada, ainda estará bem abaixo do pico de investimentos apurado nos últimos sete anos, período divulgado neste boletim. Esse pico ocorreu em 2013, com um total de R$ 428,4 bilhões nos mesmos setores.

No conjunto dos segmentos analisados, o boletim revela um crescimento real médio de 3,9% ao ano no período, puxado por uma aceleração do crescimento no fim do quadriênio. O desempenho é bem superior às projeções atuais para o PIB do boletim Focus.

De acordo com o BNDES, o resultado positivo é puxado principalmente pelos investimentos na indústria, com destaque para o segmento de petróleo e gás, impulsionado pela recuperação do preço do petróleo e pelos leilões de concessão ou de partilha de blocos exploratórios ocorridos em 2017 e no início de 2018.

Infraestrutura

Na infraestrutura, a previsão é de investimento médio anual próximo ao estimado no levantamento anterior (2018-2021). O cenário traçado pelo BNDES, entretanto, prevê aceleração dos investimentos em 2021 e 2022. A expectativa é de que o valor em 2022 deverá superar o registrado em 2018.

“Os segmentos de logística e saneamento devem mostrar melhor desempenho dos investimentos nas áreas mais carentes de desenvolvimento, sobretudo a partir de 2020”, diz o boletim.

A análise do banco apresenta ainda uma redução no quadro de alto endividamento e restrição de caixa das empresas no segmento de mineração. Outro destaque foi a siderurgia, com a melhora das margens de lucro do setor.

“Políticas públicas, mudanças no marco regulatório e programas de concessão de serviços de infraestrutura ao setor privado também influenciam positivamente os investimentos, enquanto a situação fiscal dos Estados continua sendo fator de inibição”, aponta o levantamento.

Realizado desde 2006, o levantamento inclui investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES, tendo por base a identificação de projetos pelas gerências setoriais do banco de fomento.

0
0
Continuar lendo

Economia

‘Até final do ano, R$ 20 bilhões devem ser liberados’, diz Mourão

Os valores ainda não estão fechados e podem ser alterados até o anúncio oficial no próximo dia 20 de setembro

estilo.online Redação

Publicado

em

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, afirmou que até o final do ano devem ser liberados “uns R$ 20 bilhões” das despesas do Orçamento. A ideia é dar alívio aos ministérios que enfrentam um apagão administrativo pela falta de recursos. Atualmente, o valor do bloqueio é de R$ 34 bilhões.

“O Ministério da Economia é o dono do dinheiro… Até o final do ano, uns R$ 20 bilhões devem ser liberados”, disse Mourão ao chegar no Palácio do Planalto após o almoço.

Mourão foi questionado por jornalistas sobre a avaliação de integrantes do Ministério da Economia de que um ganho de arrecadação de cerca de R$ 8 bilhões acima do esperado em julho e agosto vai permitir um desbloqueio próximo de R$ 15 bilhões das despesas do Orçamento.

Os valores ainda não estão fechados e podem ser alterados até o anúncio oficial no próximo dia 20 de setembro, quando o governo terá que enviar ao Congresso Nacional o relatório de avaliação de receitas e despesas do Orçamento.

Na terça-feira, em entrevista à TV Globo, Mourão afirmou que o governo vai desbloquear R$ 20 bilhões do Orçamento ainda neste mês. Hoje, ele voltou a destacar o valor, e disse que o descontingenciamento deve ocorrer até o final o ano.

0
0
Continuar lendo

Economia

Previsão de crescimento da economia sobe para 0,87% neste ano

Segundo a pesquisa, a previsão para 2020 permaneceu em 2,10%

estilo.online Redação

Publicado

em

O mercado financeiro aumentou a projeção para o crescimento da economia e reduziu a estimativa de inflação para este ano. Segundo o boletim Focus, pesquisa divulgada todas as semanas pelo Banco Central (BC), a previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi ajustada de 0,80% para 0,87% em 2019.

Segundo a pesquisa, a previsão para 2020 permaneceu em 2,10%. Para 2021 e 2022 também não houve alteração nas estimativas: 2,50%.

A estimativa de inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo caiu de 3,65% para 3,59%, este ano. Para os anos seguintes não houve alterações nas projeções: 3,85%, em 2020, 3,75%, em 2021, e 3,50%, em 2022.

A meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional é 4,25% em 2019, 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,5% em 2022, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 6%. Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Quando o Comitê de Política Monetária aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Para o mercado financeiro, ao final de 2019 a Selic estará em 5% ao ano. Para o final de 2020, a estimativa segue em 5,25% ao ano. No fim de 2021 e 2022, a previsão permanece em 7% ao ano.

A previsão para a cotação do dólar ao fim deste ano subiu de R$ 3,80 para R$ 3,85 e, para 2020, de R$ 3,81 para R$ 3,82.

0
0
Continuar lendo
1USD
United States Dollar. USA
=
108,21
JPY +0,11%
4,08
BRL 0,00%
1EUR
Euro. European Union
=
119,49
JPY –0,18%
4,50
BRL –0,28%
1BTC
Bitcoin. Crypto-currency
=
1.101.721,92
JPY +0,02%
41.514,80
BRL –0,09%

Tokyo
20°
Rain
WedThuFri
min 19°C
27/18°C
25/19°C

São Paulo
21°
Fair
WedThuFri
34/18°C
34/23°C
33/17°C

Arquivos

Facebook

Mais vistas da semana